Quando tinha 15 anos, Camila Crivellente tomou uma decisão que para ela parecia natural, mas que no início do século 21 não era tão simples: contou para o pai, João Gabriel, que era lésbica. De primeira, veio o baque. João, então com 40 anos, não entendia bem o que poderia ter acontecido.

“Ele era mais conservador. Não conhecia nenhuma pessoa homossexual e ficou em choque. Nunca virou as costas pra mim, mas não entendia”, conta Camila, hoje com 30 anos, e uma das personagens reais que participaram da campanha de Dia dos Pais da cerveja Skol, no ar desde o último dia 5 de agosto.

“No início não foi fácil aceitar. Mas fui encarando. A Camila é minha filha e eu tive que amadurecer. O mundo mudou e eu tive que mudar também. Se ela tem uma orientação ou outra não importa”, conta João, agora, aos 55 anos.

Os dois e outros quatro pais e quatro filhos estão no filme de Skol para o Dia dos Pais. Ele propõe que as pessoas se abram mais com seus pais. Skol incentiva a autenticidade em todos os momentos e na relação entre pais e filhos não é diferente.

“A conversa na gravação foi ótima e me mostrou que além desse assunto, meu pai está lá para me ouvir e apoiar sempre. Acho que foi por isso que me emocionei. Ele nunca deixou de estar ao meu lado”, disse Camila, que há 11 anos namora Angélica.

As duas se preparam para o casamento em setembro de 2019 e João Gabriel é quem mais se anima com a organização da festa. “Ele está me ajudando muito em todos os preparativos e está sendo fundamental para esse momento importante da minha vida”, conta Camila.

“A minha expectativa é muito grande. Nunca fui a casamento de duas mulheres, mas sei que isso está cada vez mais comum. As pessoas estão sendo elas mesmas e temos que apoiar”, disse João Gabriel.

“Skol gosta de apresentar outras perspectivas e surpreender os consumidores. Por isso, queremos quebrar esse paradigma que de todos os pais são quadrados. Nem sempre é assim. O mundo está mudando e muitos pais estão mudando também. Os preconceitos ainda existem dentro das próprias famílias, mas em muitos lugares os tabus já começam a ser quebrados, e os filhos sentem mais liberdade em colocar alguns assuntos em discussão com os pais”, disse Maria Fernanda Albuquerque, diretora de marketing de Skol.