Carnaval é tempo de alegria! Para aproveitar ao máximo as festividades, vale ter alguns cuidados com a saúde. E não é só para evitar a ressaca: os olhos e a pele também merecem atenção, principalmente no caso das crianças.

Carnaval - Divulgação  Muito comum nas brincadeiras infantis, os sprays de espuma precisam ser utilizados com precaução. “Em contato com os olhos e com a pele, eles podem provocar vermelhidão, ardência, irritações de modo geral. Nesse caso, o indicado é lavar a área atingida com água corrente e em hipótese nenhuma automedicar a criança. Se os sintomas persistirem, o melhor é procurar um especialista”, destaca o oftalmologista José Rodrigues, do Instituto de Saúde Ocular do DF (Isovisão).

Carnaval - Glitter - Divulgação

“O uso desses sprays deve ser sempre com o acompanhamento de um adulto, e para crianças maiores, que entendam o uso correto. Uma criança muito nova pode acabar ingerindo a substância ou levando às mãos sujas aos olhos. O melhor é até evitar os sprays e oferecer outras brincadeiras para os filhos”, aconselha o oftalmologista.

Carnaval - Pintura de rosto - Divulgação

As maquiagens, indispensáveis nessa época, também merecem muita atenção. A dica número do médico é: não compartilhe rímel, lápis de olho e sombras. “Dividir a maquiagem pode parecer inofensivo, mas é aí que mora o perigo. Muitas pessoas desconhecem que esse compartilhamento pode acabar espalhando vírus e bactérias, que causam a famosa conjuntivite. Isso é problemático, ainda mais em um período de grande aglomeração de pessoas”, afirma.

E os cuidados não param por aí! Segundo Rodrigues, o glitter, item muito usado para complementar o visual, pode ser um vilão. “As partículas são muito pequenas e são difíceis de retirar quando caem no olho. Ao coçar ou esfregar o local, além de irritar o olho, a pessoa corre o risco de arranhar a córnea e causar um problema mais grave”, explica.

Os cílios postiços são outros que necessitam de precauções. Se a cola para fixação do produto cair dentro do olho, ela pode provocar ceratite, que é uma inflamação na córnea. Por isso, é essencial ler as instruções do rótulo, adquirir cílios de procedência confiável e ter muita atenção na hora de aplicá-los. Também há o risco de alergias e irritações na pálpebra. “Diante de qualquer sinal suspeito, o ideal é ir logo ao médico. Se um quadro de ceratite evoluir, por exemplo, ele pode prejudicar seriamente a visão”, adverte o especialista do Isovisão.

Pele protegida

A pintura de rosto ajuda muito a criar uma fantasia especial, transformando os pequenos em super-heróis e outros personagens queridos. Para garantir a diversão, é fundamental usar tintas apropriadas para a pele e não para o papel e outras superfícies. “Uma tinta guache, por exemplo, tem componentes que ressecam a pele. À medida que vai secando, ela provoca, no mínimo, uma sensação de desconforto e coceira”, descreve o dermatologista Erasmo Tokarski.

Ele recomenda fazer um teste com a tinta em uma pequena parte do braço, por exemplo, e aguardar algumas horas. Se houver alguma reação adversa, a aplicação deve ser suspensa. No caso da maquiagem, o ideal é que, ao menos para as crianças, ela seja hipoalergênica.

Para quem deseja curtir os animados blocos de rua, é essencial proteger-se da radiação solar. “No Carnaval, as pessoas costumam passar várias horas expostas ao sol. Protetor solar é indispensável para evitar insolação e outros danos a longo prazo, como o envelhecimento precoce e o câncer de pele”, indica Tokarski. Outros aliados são os óculos de sol e os chapéus.